SENADO FEDERAL INFORMA OFICIALMENTE QUE OPOSIÇÃO FORMULA PEDIDO DE IMPEACHMENT DE MICHEL TEMER

Segundo a Agência Senado o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) já anuncia que os senadores de oposição se reunirão na noite desta quarta-feira (17) para elaborar um pedido de impeachment do presidente Michel Temer após denúncia de que ele teria sido gravado por empresários negociando pagamentos a aliados. O senador afirmou que o fato é gravíssimo.

 

Segundo notícia veiculada pela imprensa no fim da tarde, os donos da empresa de produção de carnes JBS, Joesley e Wesley Batista, entregaram ao Supremo Tribunal Federal (STF) gravações que mostram Temer negociando com eles o pagamento de uma “mesada” ao ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso no Paraná. O dinheiro teria a função de garantir que Cunha não faria um acordo de delação premiada no âmbito da Operação Lava Jato, da Polícia Federal.

 

Os senadores Magno Malta (PR-ES) e José Medeiros (PSD-MT) criticaram a postura dos senadores oposicionistas, dizendo que eles não levam delações a sério quando elas envolvem figuras dos seus partidos.

 

A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) reforçou a comunicação de Lindbergh e disse que o Senado precisa “levar a sério” a denúncia.

DONO DA JBS GRAVOU TEMER DANDO AVAL PARA PAGAR SILÊNCIO DE CUNHA

O presidente Michel Temer durante cerimônia alusiva a 1 ano de governo, no Palácio do Planalto, em Brasília (DF) – 12/05/2017 (Evaristo Sá/AFP)

Em negociação de acordo de delação premiada, os donos da JBS, os irmãos Joesley e Wesley Batista, gravaram um áudio em que o presidente Michel Temer aparece dando aval para o pagamento de uma mesada ao ex-deputado Eduardo Cunha e ao operador Lúcio Funaro, segundo informações divulgadas pelo jornal O Globo.

Segundo a reportagem, Temer teria indicado diante de Joesley o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) para solucionar um assunto da J&F (holding que controla a JBS). Depois, Rocha Loures foi filmado recebendo uma mala com 500.000 reais enviada por Joesley.

Ainda de acordo com o jornal, o empresário teria dito a Temer que estava pagando a Eduardo Cunha e ao operador Lúcio Funaro uma mesada para eles ficarem calados. Os dois estão presos — Cunha em Curitiba e Funaro em Brasília. Diante desta afirmação, Temer teria dito: “Tem que manter isso, viu?”.

Fonte: VEJA.com