COMEÇANDO O DIA 17/2017

Estamos na 3ª semana do ano de 2017, no calendário gregoriano, hoje é o 17º dia do ano. O sol nasceu no horizonte neste momento, às 05:23 da manhã. Nos últimos trinta anos, choveu em Ouro Branco 20 vezes no dia de hoje, sendo que a maior precipitação registrada foi uma chuva de 30 mm em 2004. Em 1994 foi o dia de hoje mais frio que já tivemos (com 21 °C), e em 2003 foi o dia de hoje mais quente (com 36 °C). No dia de hoje, há dois anos, era executado, apesar da comoção popular, o brasileiro acusado de tráfico de drogas, na Indonésia. Pelos calendários hagiológico e Romano, o santo do dia de hoje é o abade Santo Antão.

COMEÇANDO O DIA 16/2017

Estamos na 3ª semana do ano de 2017, no calendário gregoriano, hoje é o 16º dia do ano. O sol nasceu no horizonte neste momento, às 05:23 da manhã. Nos últimos trinta anos, choveu em Ouro Branco 15 vezes no dia de hoje, sendo que a maior precipitação registrada foi uma chuva de 22 mm em 2009. Em 1990 foi o dia de hoje mais frio que já tivemos (com 20 °C), e em 2003 foi o dia de hoje mais quente (com 36 °C). No dia de hoje, em 1989, iniciava a circulação do cruzado novo (NCz$), pelo Plano Verão, correspondendo a mil cruzados “antigos”, representando um corte de três zeros, possível de se encontrar nas carteiras de alguns ourobranquenses colecionadores. Pelo calendário hagiológico (o calendário santoral), o santo do dia de hoje é São Marcelo I.

CORINTIANOS PRESOS NO RJ CONTAM EM CARTA MEDO DE GUERRA ENTRE FACÇÕES

Corintianos presos no Rio de Janeiro há mais de 80 dias sem julgamento enviaram uma carta a colegas da torcida organizada da qual fazem parte relatando medo da guerra entre facções criminosas que dominam o Complexo Penitenciário de Bangu, onde estão presos. Eles pedem ajuda para conseguir transferência de presídio.

Eles estão presos preventivamente desde uma briga nas arquibancadas do Maracanã em partida do time paulista contra o Flamengo, em 23 de outubro do ano passado. Na ocasião, a PM carioca mandou as mulheres e crianças saírem, após o jogo, e manteve detidos na arquibancada 3.000 corintianos para identificação. Ao todo, 31 deles foram presos. No grupo, estão alguns que comprovadamente não estavam na confusão. Câmeras de segurança mostram eles em outros pontos da arquibancada na hora da briga ou mesmo fora do estádio, mas seguem presos.

No dia seguinte, a Justiça transformou a prisão em flagrante dos torcedores em preventiva. Na decisão da juíza Marcela Caram, constavam imagens de TV de apenas quatro dos 31 presos. Os outros foram reconhecidos por quatro policiais. Desde então, dois deles haviam conseguido habeas corpus e um menor foi solto pela Vara da Infância e da Juventude, ao constatar que ele não participou da briga. Em meados de dezembro, mais um corintiano foi solto.

Veja a carta enviada pelos corintianos na íntegra:

Rio de Janeiro 10 de janeiro de 2017

Salve XXX venho por meio desta carta passar o que realmente estamos vivendo dentro desse inferno chamado Bangu 10. Irmão a fita é o seguinte, não sei se você ouviu falar sobre a transferência de 600 presos do A.D.A. pra cá o que acontece é o seguinte, depois que os caras tomou a cadeia estamos vivendo no nosso limite, sem direito a água, pão e rango. Parça a cadeia tá tensa mais dia menos dia a cadeia vai virar e nóis estamos aki no meio do fogo cruzado no meio de 2 facções correndo risco de vida. Por isso estamos te passando essa visão pra que você corra aí fora por nois como nois daria nossa vida pela torcida. Queremos que você faça essas ideia espandir caia no ouvido de quem for possível pra que tire ou transfira nois daki o mais rápido possível. Irmão comova todos, parceiro nosso e lute por nois! Esse é nosso pedido de coração. Forte abraço! Contamos com vocês! Como sempre lutamos pela torcida hoje estamos precisando que a torcida lutem por nois… Obrigado XXX fé em Deus…

FONTE:UOL

TRABALHADORES MORRERAM POR ASFIXIA EM POÇO NA PARAÍBA

Asfixia foi a causa da morte de quatro pessoas durante a limpeza de um poço em Barra de São Miguel, no Cariri paraibano, na quinta-feira (12). O resultado do exame cadavérico das duas últimas vítimas foi anunciado pelo Núcleo de Medicina e Odontologia Legal (Numol) de Campina Grande, na tarde desta sexta-feira (13). Pela manhã, o órgão já tinha confirmado o motivo da morte de outras duas.

Apesar do motivo da morte ter sido asfixia, o laudo ainda não indica se a asfixia ocorreu por falta de oxigênio no poço ou se foi provocada por inalação de gases tóxicos, conforme a hipótese inicial do Corpo de Bombeiros. O corpos foram liberados durante a tarde.

De acordo com o diretor técnico do Numol de Campina Grande, Márcio Leandro, o laudo com todos os detalhes da morte deve sair no prazo de até 10 dias, podendo ser prorrogado por até 30 dias. “No laudo apontamos a causa da morte como “Asfixia – a definir” pois precisamos saber como essa asfixia ocorreu, se foi por falta de oxigênio tendo em vista que o local era apertado, ou se havia a concentração de gases dentro do poço. Fizemos uma coleta de material nos corpos e também enviamos equipes para uma nova perícia nesta sexta-feira” explicou ele.

Pânico e escoriações
Outro detalhes que chamou a atenção do Numol durante os exames é que os corpos das vítimas apresentavam pequenos ferimentos e ranhuras.

O diretor Márcio Leandro acredita que estes ferimentos foram provocados em um momento de desespero entre as vítimas, quando elas estavam morrendo.

“Por causa do processo de asfixia, as vítimas devem ter entrado em pânico. Esses ferimentos pode ter sido provocados no momento em que eles tentavam subir o poço e ficaram inconscientes, tanto na tentativa desesperada de subir, ou quando caíram inconscientes”, explicou ele.

Hipótese de gases tóxicos
Gases tóxicos podem ter sido a causa da morte dos quatro homens que faziam a limpeza do poço em Barra de São Miguel. A informação foi repassada pelo Tenente Rogério, do Corpo de Bombeiros. Das outras quatro pessoas que foram socorridas e levadas para atendimento médico após passar mal, três receberam alta do Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grandex, para onde tinham sido encaminhadas.

As mortes
O incidente ocorreu na tarde de quinta-feira (12) , quando as vítimas estavam trabalhando dentro dos poços. As primeiras informações da Polícia Civil são de que os homens teriam tido um mal estar no momento em que faziam a limpeza dos locais.

Para o Tenente Rogério, do Corpo de Bombeiros a possibilidade mais plausível neste momento é que os trabalhadores tenham sido entoxicados. “Num poço dessa profundidade é comum encontrarmos gases tóxicos no fundo e pode ter acontecido dos trabalhadores terem inalado esse gás e perdido a consciência” explicou.

A Polícia Civil, que investiga o caso, trabalha ainda com outras hipóteses para explicar a morte dos trabalhadores. A primeira seria que a água dos poços estaria envenenadas por agrotóxicos e as vítimas teriam sido contaminadas. A segunda hipótese é de que os homens podem ter sofrido falta de oxigênio, já que o poço tem cerca de 10 metros de profundidade.

Os quatro homens que sobreviveram ao incidente foram encaminhadas para o Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande. As vítimas chegaram conscientes e ficaram sob observação. Três delas receberam alta hospitalar ainda na noite de quinta. De acordo com a unidade de saúde, o único trabalhador internado tem previsão de alta nesta sexta-feira (13).

FONTE:G1/PB

 

COMEÇANDO O DIA 13/2017

Estamos na 2ª semana do ano de 2017, no calendário gregoriano, hoje é o 13º dia do ano. O sol nasceu no horizonte neste momento, às 05:21 da manhã. Nos últimos trinta anos, choveu em Ouro Branco 20 vezes no dia de hoje, sendo que a maior precipitação registrada foi uma chuva de 28 mm em 2004. Em 1990 foi o dia de hoje mais frio que já tivemos (com 21 °C), e em 2003 foi o dia de hoje mais quente (com 36 °C). Pelo calendário Romano, hoje é Festa do Santíssimo Nome de Jesus.

HONÓRIO CAPIBA: PRIMEIRO PROFESSOR DE MÚSICA DE OURO BRANCO

 

Honório Capiba

Honório Maciel da Fonseca, mais conhecido como Honório Capiba, chegou aqui em Ouro Branco com sua família no ano de 1913. Ele foi casado com Julia Moura da Fonseca. O casal teve alguns filhos nascidos e batizados  aqui em Ouro Branco, como consta abaixo nos dois assentamentos de batizados da Matriz de Nossa Senhora da Conceição, em Jardim do Seridó:

 

“Osvaldo, filho legitimo de Honorio Maciel da Foncêca e Julia Moura da Foncêca nasceu aos quatroze de Março de mil nove centos e vinte e um e foi por mim baptizado na Capella de Ouro branco aos nove de Maio do mesmo: foram padrinhos, Cícero Maciel da Fonseca e Maria Moura da Fonseca. De que mandei fazer este assento que assigno.

                                                                                                                     Conego Amancio Ramalho”

 

“Mirabeau, filho leg. de Honorio Maciel da Foncêca e Julia Moura da Foncêca nasceu ao primeiro de Fevereiro de mil nove centos e vinte e dois e foi por mim baptizado na Capella de Ouro Branco ao quatroze de Fevereiro do mesmo: foram padrinhos = Abdon Alves Nóbrega e Rosa de Araújo Nóbrega. De que mandei fazer este assento que assigno.

                                                                                                                        Conego Amancio Ramalho”

 

Honório Capiba foi proprietário de uma grande loja de tecidos que funcionou na Rua de Baixo, onde hoje é a casa de Dona Maria de Antonio Justino. Seus irmãos Cícero Capiba (Cícero Maciel da Fonseca) e João Capiba (João Maciel da Fonseca) também foram sócios no empreendimento

Honório Capiba era pertencente a uma família com raízes fincadas na música, era tio do famoso compositor pernambucano Capiba, e antes de vir morar em Ouro Branco ele já tinha fundado em 1912 a banda de música da cidade de Taperoá, no Estado da Paraíba.

Em Ouro Branco, Honório Capiba, que foi o primeiro professor de música de Ouro Branco, tentou formar uma banda de música, chegou a ensinar música – houve vários ensaios musicais – a alguns moradores daqui, entre os quais, Paulino Soares, Amaro Vieira, Pedro Procópio e Zé Apolinário. Mas como Ouro Branco era um povoado pertencente a Jardim do Seridó, que já contava com sua banda de música, os planos de Honório Capiba não se concretizaram. Ele ainda chegou a ser maestro da banda Euterpe Jardinense.

Em 1924, Honório Capiba foi embora para São João do Sabugi e lá fundou, com muito trabalho e sacrifício, a Filarmônica Coronel Nelson Faria em 1926, sendo que a primeira apresentação aconteceu em 31 de maio do mesmo ano, sendo executados dois dobrados: Retirada Saudosa e José Ezelino. Honório Capiba morreu em 1928, de febre tifóide.

Posteriormente a filarmônica de São João do Sabugi passou a denominar-se Firlamônica Honório Maciel, em homenagem póstuma ao seu fundador. Zé Honório (José Lourenço da Fonseca), filho de Honório Capiba, foi o terceiro maestro da Firlamônica Honório Maciel. O quinto maestro foi Manoel Felipe Nery, que também fez história aqui em Ouro Branco como professor de música.

O interessante é que Honório Capiba saiu de Ouro Branco e foi para São João do Sabugi, e lá fundou a filarmônica que hoje é denominada de Honório Maciel. Já Manoel Felipe Nery saiu de São João e veio para Ouro Branco ensinar música, sendo que posteriormente a banda de Ouro Branco foi fundada com a denominação de Filarmônica Manoel Felipe Nery, homenagem feita pelo então Prefeito Doutor Araújo, o mesmo foi aluno de Manoel Felipe Nery.

Para finalizar, Honório Capiba era natural do Estado de Pernambuco e lá ele era capitão da Guarda Nacional. Por ter se envolvido em questões políticas em Pernambuco, o mesmo teve que fugir com a família para não sofrer perseguições.

Manoel Felipe

FONTE: LIVRO “OURO BRANCO: DE 1722 A 1954”.

PARAÍBA REGISTRA CASOS SUSPEITOS DE DENGUE EM 219 CIDADES, DIZ SECRETARIA

 

Dos 223 municípios paraibanos, 219 registraram ocorrências de casos suspeitos de Dengue. Apenas as cidades de Carrapateira, Matinhas, São Domingos do Cariri e Serraria não sinalizaram casos da doença sistema. A informação faz parte do primeiro boletim da Dengue, Zika e Chikungunya de 2017, divulgado na última segunda-feira (10).

“É importante evidenciar que a sinalização de casos suspeitos de dengue é a base para o planejamento das ações de Assistência à Saúde, Vigilância Epidemiológica e Ambiental”, disse a gerente executiva de Vigilância em Saúde, Renata Nóbrega.

Segundo o boletim, de 1º de janeiro a 31 de dezembro de 2016 (52ª Semana Epidemiológica) foram notificados 44.374 casos de dengue na Paraíba. No mesmo período de 2015 registrou-se 29.858 casos, o que representa um aumento de 48,61%. no mesmo período também foram notificados 20.928 casos de chikungunya.

A Gerência Epidemiológica de Vigilância Sanitária (GEVS) destaca que a confirmação laboratorial do primeiro caso da doença na Paraíba ocorreu em dezembro de 2015 , com picos de casos entre a 13ª e a 20ª Semana Epidemiológica, o que corresponde ao 2º trimestre do ano, período de maior volume pluviométrico. Quanto aos casos notificados de Zika Vírus, entre 1º de janeiro e 31 de dezembro do ano passado, foram registrados 4.899.

De acordo com a SES, existem atualmente três Unidades Sentinelas do Zika Vírus na Paraíba, implantadas para identificar a circulação viral, nos municípios de Bayeux, Campina Grande e Monteiro, conforme recomendação do Ministério da Saúde.

Mortes
De 1º de janeiro a 31 de dezembro de 2016, a SES registrou 108 mortes suspeitas por arboviroses, desse total, 32 foram confirmadas por Chikungunya e sete por dengue, os demais casos estão em investigação.

Situação de risco
O levantamento da SES aponta que 32 cidades paraibanas estão em situação de risco. No período de 24 a 28 de outubro de 2016, foi realizado na Paraíba o 3º Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRa) e Levantamento de Índice Amostral do Aedes aegypti (LIA), este último, para municípios que possuem até 1.999 imóveis, conforme preconizado pelo MS.

​Os resultados, além de apresentarem a média dos indicadores larvários, revelam os espaços intraurbanos com as áreas de maior densidade de larvas, o que contribui para o direcionamento e, consequentemente maior efetividade das ações de combate do vetor, segundo a Secretária de Saúde.

FONTE:G1/PB

COMEÇANDO O DIA 12/2017

Estamos na 2ª semana do ano de 2017, no calendário gregoriano, hoje é o 12º dia do ano. O sol nasceu no horizonte neste momento, às 05:21 da manhã. Nos últimos trinta anos, choveu em Ouro Branco 16 vezes no dia de hoje, sendo que a maior precipitação registrada foi uma chuva de 22 mm em 1988. Em 1987 foi o dia de hoje mais frio que já tivemos (com 21 °C), e em 2003 foi o dia de hoje mais quente (com 36 °C). Pelo calendário Romano, hoje é Festa do Santíssimo Nome de Jesus.

COMEÇANDO O DIA 11/2017

Estamos na 2ª semana do ano de 2017, no calendário gregoriano, hoje é o 11º dia do ano. O sol nasceu no horizonte neste momento, às 05:20 da manhã. Nos últimos trinta anos, choveu em Ouro Branco 20 vezes no dia de hoje, sendo que a maior precipitação registrada foi uma chuva de 27 mm em 1988. Em 1990 foi o dia de hoje mais frio que já tivemos (com 20 °C), e em 2003 foi o dia de hoje mais quente (com 36 °C). No dia de hoje tem a vizinha cidade de Várzea desmembrada de Santa Luzia, conquistando sua emancipação política, em 1962. Em 2003 entra em vigor a Lei Federal nº 10.406, o novo Código Civil, que trata atualmente de todas as relações sociais do cidadão comum brasileiro. Pelo calendário Romano, hoje é Festa do Santíssimo Nome de Jesus.

PRIMEIRA REPÓRTER A NOTICIAR II GUERRA MORRE AOS 105 ANOS

 

Clare Hollingworth, repórter de um jornal britânico que deu a primeira notícia sobre o início da II Guerra Mundial, morreu nesta terça-feira. A consagrada correspondente internacional faleceu em Hong Kong, aos 105 anos.

Em agosto de 1939, aos 27 anos, Hollingworth viajou sozinha para a fronteira com a Alemanha e testemunhou a primeira coluna de tanques nazistas se mobilizando para invadir a Polônia. Três dias depois, ela foi a primeira a relatar o início das hostilidades não apenas para leitores do jornal The Daily Telegraph, mas também para autoridades britânicas e polonesas.

“Clare faleceu cercada de familiares e amigos, com muito carinho”, disse Cathy Hilborn Feng, sua amiga há mais de 20 anos. As reportagens de Clare sobre o início da guerra são consideradas um marco do jornalismo. “Eu fiz essa reportagem quando era muito, muito jovem”, disse ela em uma entrevista ao Daily Telegraph em 2009. “Eu fui lá para ver os refugiados, os cegos, os surdos e os deficientes mentais. Enquanto eu estava lá, a guerra repentinamente irrompeu”, contou.

Nascida em Leicester, em 1911, Hollingworth ficou conhecida por estar no lugar certo, na hora certa, depois de brilhantes descobertas ao longo da carreira. A jornalista também escapou por pouco da morte em 1946, quando uma bomba destruiu o hotel King David em Jerusalém, matando quase cem pessoas a poucos metros de onde ela estava. Clare ainda atuou como repórter no Vietnã, na Argélia e no Oriente Médio.

Nos anos 1970, Hollingworth se tornou uma das primeiras jornalistas ocidentais a reportar permanentemente de Pequim, onde o Daily Telegraph abriu uma sucursal. A jornalista viveu suas últimas quatro décadas em Hong Kong e era frequentadora assídua do Clube de Correspondentes Internacionais (FCC), onde comemorou seu aniversário de 105 anos em outubro do ano passado.

Durante a vida, Clare deixou claro em entrevistas que nunca foi tão feliz quanto nos momentos em que estava acompanhada apenas de escova de dente, máquina de escrever e, se necessário, um revólver. “Preciso admitir que gosto de estar na guerra”, disse ao Daily Telegraph em 2011, quando completou 100 anos.

FONTE: VEJA.COM