web analytics

TUBEIROS X FUSCÕES COMO NOME DE BLOCO POLÍTICO EM OURO BRANCO

A discussão em torno da polaridade partidária, defendida por Quipauá, tem propósito de simplificar as escolhas políticas, garantir a fidelidade partidária e resistir às dominações pessoais na política local. As 17 comissões ou diretórios fincados em Ouro Branco sendo sete ideologias representadas no legislativo, se elegeram através de duas coligações. E os próprios parlamentares se dividem em dois blocos.

A força da polaridade partidária é que ela garante, por razões práticas, que os mandatários e políticos dos partidos se mantenham nos seus eixos. Os Tubeiros tem seus interesses e os Fuscões tem os seus também, de modo que os políticos só serão aceitos pelo povo se agradarem a seu respectivo lado. E como a divisão partidária em Ouro Branco gira em torno de um terço, a proporção sempre vai estar garantindo alguma democracia.

O terço a que nos referimos é baseado numa estimativa de ideologia partidária. Por experiências, sem dados concretos, entendemos que um terço do eleitorado ourobranquense, cerca de 1.200 eleitores, é Tubeiro, outro terço é Fuscão, e o terço restante é variante entre os lados que estiverem no comando. Nessa conta, acreditamos que qualquer lado que esteja no comando sempre estará satisfazendo a cerca de 65% do eleitorado, o que é uma proporção satisfatória para a população.

Os autores de Quipauá, como bons regionalistas que são, defendem veementemente que os políticos municipais mantenham sempre essas denominações ideológicas. Inclusive pelos contextos históricos de seus apelidos.

Compartilhe nossas postagens por: